Whatsapp: confira dicas para não cair no golpe do falso empréstimo

Criminosos usam nomes e identidade visual de empresas conhecidas no mercado financeiro para enganar vítimas pelo aplicativo

Você recebe uma mensagem pelo WhatsApp oferecendo um empréstimo atrativo, com taxas de juros mais baixas ou valor pré-aprovado alto. Aparentemente, tudo indica ser um contato de uma instituição financeira confiável. O atendente é simpático e responde até mesmo com áudios. Essas podem ser algumas das características de golpes pelo aplicativo de troca de mensagens

Nos últimos dois anos, esse tipo de fraude teve um salto de quase 200%, de acordo com levantamento realizado pelo Reclame Aqui. Os criminosos usam os nomes e aspectos como identidade visual de empresas reais para enganar as vítimas. A Associação Brasileira de Crédito Digital (ABCD) elaborou um guia com dicas para reconhecer e se proteger dessa ciladas

Depósito antecipado

Uma empresa séria jamais exigirá do consumidor depósito antecipado para liberar um empréstimo. “Essa prática é ilegal e está sujeita inclusive à responsabilização criminal, podendo ser enquadrada no crime de estelionato – artigo 171 do Código Penal. Se for vítima, a orientação é fazer um boletim de ocorrência o mais rápido possível”, afirma Rafael Pereira, presidente da ABCD.

Exigência de fiador

Outra exigência ilegal. Na ânsia de obter o empréstimo, há quem pague fiador. Essa é, aliás, uma das características aproveitadas pelos criminosos: eles utilizam a fragilidade da pessoa, que costuma estar em dificuldades financeiras, para concretizar o golpe. Em qualquer modalidade de empréstimo, interessam apenas e tão somente as informações financeiras do tomador de crédito.

Promessa de elevação da nota de crédito

Há quem prometa melhorar sua nota de crédito, também chamada de score. Isso não é possível. “O score diz respeito ao histórico de pagamentos de cada pessoa física ou jurídica. Para chegar a ele, os birôs de crédito realizam um trabalho sério e reconhecido internacionalmente. Seu score só pode ser consultado/acessado por você nos sites dos birôs, não estando aberto a outros consumidores”, explica Pereira

Cópia ou reprodução do site

Os golpistas costumam simular sites de instituições financeiras para atrair pessoas interessadas em contratar crédito. Como os ambientes são parecidos, a vítima não percebe que se trata de um site fraudulento. A orientação é conferir o endereço eletrônico, analisando os links antes de clicar neles. O símbolo de um cadeado ou a indicação do ‘https’ antes do endereço do site, por exemplo, são importante e garantem ser um ambiente seguro

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *