Flávio Bolsonaro diz que ligar o pai ao 8/1 é ‘maldade’

 Flávio Bolsonaro diz que ligar o pai ao 8/1 é ‘maldade’

[ad_1]

O senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) disse hoje, durante uma transmissão ao vivo no Instagram, que é “pura malícia” relacionarem seu pai aos atos golpistas do dia 8 de janeiro, e pediu a prisão do ex-chefe do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) Gonçalves Dias.

O que aconteceu:

Flávio fez a live para comentar a reportagem publicada no jornal O Orbe sobre o GSI do governo Lula (PT), ainda sob o comando de Dias, ter adulterado um relatório de lucidez sobre o 8/1 enviado ao Congresso.

O senador definiu uma vez que “malícia” relacionarem os atos com o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). “Essa tentativa de jogar no pescoço de Bolsonaro os atos de 8/1 é pura narrativa, pura malícia”.

Flávio Bolsonaro pediu a prisão de Dias. “Se os mesmos critérios que serviriam para dar uma espécie de fundamento à prisão de Anderson Torres forem utilizados agora, é para o ex-ministro de Lula ser recluso imediatamente”.

O senador ainda diz na transmissão que o ex-secretário de Segurança do DF Anderson Torres, também ex-ministro de Bolsonaro, merece desculpas. “Caso tudo se confirme, eu acho que o governo e o Judiciário deveriam pedir desculpas a Anderson Torres, que ficou recluso injustamente”.

Relatório viciado:

Segundo a colunista Malu Gaspar, a informação sobre o relatório adulterado consta em um conjunto de documentos da Abin entregue ao ministro Alexandre de Moraes, do STF, e exibidos no Congresso hoje.

O material seria formado por dois relatórios do órgão sobre os atos golpistas. O primeiro, enviado ao Congresso, teria sido adulterado, retirando registros de que o general foi informado do risco de tumulto e invasão dos prédios.

Esses documentos exibidos em uma sessão fechada hoje também devem ser enviados à CPI do 8 de janeiro, segundo a reportagem.

Gonçalves Dias pediu exoneração do função no mês pretérito, depois imagens de câmeras de segurança do Planalto mostrarem o general orientando bolsonaristas durante os atos golpistas.