MP dos Ministérios será aprovada com tranquilidade, diz Pacheco

 MP dos Ministérios será aprovada com tranquilidade, diz Pacheco

[ad_1]

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), afirmou que a MP dos Ministérios será votada e aprovada com tranquilidade na Morada. A votação na Câmara foi finalizada na noite de ontem.

Espero que haja uma aprovação plena dessa medida provisória, que é tão importante para o Brasil. Seria muito ruim que caducasse ou não fosse aprovada. […] Cá vai ser tranquilo, a medida provisória, todo mundo sabe a valia dela.
Rodrigo Pacheco

O Senado tem até as 23h59 de hoje para concordar a MP, ou a estrutura da Esplanada volta a ter a formação do governo Bolsonaro.

Votação na Câmara ocorreu em seguida o governo Lula (PT) negociar com os deputados e ceder. A gestão petista autorização na terça-feira (30) R$ 1,7 bilhão em emendas parlamentares, em meio ao risco de o presidente tolerar a maior guião no Congresso neste procuração.

A MP dos ministérios foi o texto editado pelo governo para produzir a estrutura atual de 37 pastas. Para que ela não perda a validade, deve ser aprovada pelo Congresso até esta quinta-feira (1º).

Senadores devem carimbar o texto que saiu da Câmara, diante do prazo pequeno para fazer mudanças. Isso porque a material precisaria ser novamente analisada pelos deputados.

No entanto, sobretudo a oposição mantém críticas ao tempo pequeno para fazer sugestões de aprimoramento no texto. Não é a primeira vez que a Câmara entrega uma MP ao Senado faltando horas para perder a validade.

A única mudança aprovada pela Câmara ao relatório do deputado Isnaldo Bulhões (MDB-AL) foi um destaque do PL que revogou a extinção da Funasa (Instalação Pátrio da Saúde).

A pasta é cobiçada pelo centrão diante do orçamento bilionário e da possibilidade de indicações de aliados, além da privilégio de indicar obras nos redutos eleitorais.

O líder do governo na Câmara, José Guimarães (PT-CE), disse que a concordância do Palácio do Planalto sobre o destaque foi um “gesto de grandeza” em reconhecimento ao gesto da Câmara de concordar a medida.

Cenário da votação na Câmara

Partidos do centrão ajudaram o governo do PT. O Republicanos, que conta com políticos bolsonaristas e evangélicos, registrou 35 votos “sim”, ou seja, pela aprovação da MP (veja todos os números mais aquém).

O PP deu 34 votos favoráveis ao governo. É a {sigla} do presidente da Câmara, Arthur Lira (AL), que criticou a fala do governo horas antes da votação.

O PL, do ex-presidente Jair Bolsonaro, também contribuiu, com 8 votos “sim”.

O União Brasil foi quem mais traiu o governo, entre os partidos que compõem a Esplanada: 15 deputados da {sigla} votaram contra a MP.

O PSOL, mesmo perdendo força no ministério dos Povos Indígenas, foi unânime em votar pela aprovação.

Veja cá uma vez que votou cada deputado.