Fiocruz identifica casos de dengue tipo 3 após 15 anos e acende alerta

 Fiocruz identifica casos de dengue tipo 3 após 15 anos e acende alerta

[ad_1]

O ressurgimento recente de casos de sorotipo 3 do vírus da dengue, doença transmitida pela picada do mosquito Aedes aegypti, preocupa especialistas sobre os riscos de uma novidade epidemia causada por esse sorotipo viral posteriormente 15 anos.

Um estudo da Instauração Oswaldo Cruz (Fiocruz), coordenado pela Fiocruz Amazônia e pelo Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), divulgado nesta quarta-feira, 10, revela que quatro casos da infecção foram registrados neste ano, sendo três em Roraima, na região Setentrião, e um no Paraná, no Sul do País.

“Neste estudo, fizemos a caracterização genética dos casos de infecção pelo sorotipo 3 do vírus dengue. É um indicativo de que poderemos voltar a ter, talvez não agora, mas nos próximos meses ou anos, epidemias causadas por esse sorotipo”, afirma o virologista Felipe Naveca, patrão do Núcleo de Vigilância de Vírus Emergentes, Reemergentes e Negligenciados da Fiocruz Amazônia e pesquisador do Laboratório de Arbovírus e Vírus Hemorrágicos do IOC/Fiocruz.

O vírus da dengue possui quatro sorotipos, em universal, denominados DENV-1, DENV-2, DENV-3 e DENV-4. Quando uma pessoa é infectada por um dos quatro sorotipos, torna-se imune a todos os tipos de vírus durante alguns meses e posteriormente mantém-se imune, pelo resto da vida, ao tipo pelo qual foi infectada.

No entanto, caso volte a ter dengue, um dos outros três tipos do vírus que ainda não contraiu, poderá apresentar ou não uma forma mais grave. A maioria dos casos de dengue hemorrágica ocorre em pessoas anteriormente infectadas por um dos quatro tipos de vírus.

“O risco de uma epidemia com o retorno do sorotipo 3 ocorre por desculpa da baixa isenção da população, uma vez que poucas pessoas contraíram esse vírus desde as últimas epidemias registradas no primórdio dos anos 2000. Existe ainda o transe da dengue grave, que ocorre com mais frequência em pessoas que já tiveram a doença e são infectadas novamente, por outro sorotipo”, alerta a entidade.

A realização da pesquisa contou com a parceria dos Laboratórios Centrais de Saúde Pública (Lacens) de Roraima e do Paraná, além da participação de especialistas de diversas instituições de pesquisa. Conforme a Fiocruz, os resultados da estudo foram divulgados em item preprint, sem o processo de revisão por pares, na plataforma medRxiv. O trabalho foi submetido para publicação em periódico científico.

De combinação com o estudo, as análises indicam que a linhagem detectada foi introduzida nas Américas a partir da Ásia, entre 2018 e 2020, provavelmente a partir do Caribe.

“A linhagem que detectamos do sorotipo 3 não é a mesma que já circulou nas Américas e causou epidemias no Brasil no primórdio dos anos 2000. Nossos resultados mostraram que houve uma novidade introdução do genótipo III do sorotipo 3 do vírus da dengue nas Américas, proveniente da Ásia. Essa linhagem está circulando na América Mediano e recentemente também infectou pessoas nos Estados Unidos. Agora, identificamos que chegou ao Brasil”, afirma Naveca.

Dos quatro casos analisados, três são referentes a casos autóctones de Roraima, ou seja, de pacientes que se infectaram no Estado e não tinham histórico de viagem. Já o caso no Paraná foi importado, diagnosticado em uma pessoa vinda do Suriname, país localizado na costa nordeste da América do Sul.

Segundo a Fiocruz, os casos foram inicialmente identificados pelos Lacens de Roraima e Paraná, respectivamente. Também foram feitas análises junto ao Instituto Evandro Chagas no Pará e ao Núcleo de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) – unidade Porto Rico, além do departamento de saúde do Estado da Flórida.

“Foram as equipes do CDC de Porto Rico, e do departamento de saúde da Flórida, que identificaram os casos vindos de Cuba e nos Estados Unidos. Assim, esse é um alerta válido não só para o Brasil, mas para toda a região das Américas”, afirma o virologista.

Sintomas da dengue

Geralmente, os sintomas da dengue surgem a partir do terceiro dia posteriormente a picada do inseto, com uma média de cinco a seis dias. A doença é transmitida pela fêmea do mosquito Aedes aegypti (quando infectada pelos vírus) e pode originar tanto a sintoma clássica quanto a forma considerada hemorrágica, conforme a Fiocruz.

A doença pode ser assintomática ou pode evoluir até quadros mais graves, uma vez que hemorragia e choque. Na dengue clássica, a primeira sintoma é febre subida (39° a 40°C) e de início escarpado, usualmente seguida de dor de cabeça ou nos olhos, cansaço ou dores musculares e ósseas, falta de gosto, náuseas, tontura, vômitos e erupções na pele (semelhantes à rubéola). A doença tem duração de cinco a sete dias (sumo de dez), mas o período de convalescença pode ser escoltado de grande debilidade física, e prolongar-se por várias semanas.

Veja quais são os principais sintomas:

– Febre subida supra de 39°C;
– Dor no corpo e articulações;
– Dor detrás dos olhos;
– Falta de gosto;
– Dor de cabeça;
– Manchas vermelhas no corpo;
– Aumento progressivo do hematócrito (medida da proporção de hemácias no sangue).

No que se refere à forma mais grave da enfermidade, conhecida uma vez que febre hemorrágica da dengue, os sintomas iniciais são semelhantes, porém há um agravamento do quadro no terceiro ou quarto dia de evolução, com emergência de manifestações hemorrágicas e colapso circulatório.

“Nos casos graves, o choque geralmente ocorre entre o terceiro e o sétimo dia de doença, geralmente precedido por dor abdominal. O choque é decorrente do aumento de permeabilidade vascular, seguida de hemoconcentração e falência circulatória. Alguns pacientes podem ainda apresentar manifestações neurológicas, uma vez que convulsões e irritabilidade”, alerta a Fiocruz.



[ad_2]

Source link